Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Vanessa van Doornik - A paulistana Vanessa van Doornik, 32 anos, é jornalista e professora de inglês. No Brasil, atuou na área de assessoria de imprensa, radialismo e ensino de idiomas. Reside na província de Zeeland desde de Dezembro de 2009 e atualmente trabalha na área financeira, embora sua paixão seja o jornalismo, “uma doença incurável”, segundo ela.
 
Terneuzen: uma pequena notável
 
Data: 24/01/2010
 

Texto: Vanessa van Doornik
Fotos: Wim van Doornik

 

Depois de muito esforço, estudo e uma longa espera, finalmente cheguei ao meio destino: a Holanda. O inverno europeu me “recepcionou” com muita neve e baixíssimas temperaturas. Nada que um bom “kit inverno-depre free” não resolva. O meu é composto por uma pilha de suéters (comprados aqui, é claro), casacão, luvas, chapéu, cachecol, amor incondicional e muita…muita certeza do que eu quero para o meu futuro. E ele começa aqui na província de Zeeland, num lugar chamado Terneuzen.

A cidade portuária de Terneuzen está localizada na região sudoeste da Holanda, a apenas 13 quilômetros da fronteira com a Bélgica. Não se deve subestimar o potencial desta pequena cidade, primeiro porque não é tão pequena assim. Com mais de 55 mil habitantes, é o município mais populoso da província de Zeeland. Acrescenta-se a isso o fato de que o porto de Terneuzen é o terceiro maior da Holanda, depois dos portos de Rotterdam e Amsterdã.

Terneuzen apresenta uma intensa atividade comercial e industrial graças ao seu porto e a conexão com o canal que liga a cidade Belga de Ghent com o mar. Dentro da zona do canal de Ghent existem grandes empresas na área petroquímica e de transportes. Infelizmente, Terneuzen não está ligada ao resto do país por via férrea. O que dificulta um pouco o acesso à capital Amsterdã e a outras regiões da Holanda. Porém, o município experimentou um amplo desenvolvimento com a abertura de um túnel chamado ‘Westerscheldetunnel’. Através dele, em 30 minutos, é possível chegar as cidades de Vlissingen, Goes ou Middelburg.

Quem pensa que Terneuzen é apenas mais uma típica cidadezinha isolada do resto do país, pode se surpreender com o seu potencial turístico. É claro que aqui não vamos encontrar as mesmas atrações de uma cidade grande, mas se você está a procura de um lugar calmo e pitoresco, Terneuzen é uma ótima opção. A cidade tem bons restaurantes, um centro comercial agradável e prédios que misturam o antigo e o novo com muita classe. Há ainda um cinema com 4 salas e capacidade para 672 pessoas. O teatro da cidade, o Scheldetheater, está sempre repleto de atrações para todos os gostos e idades.

O Segundo maior festival de jazz da Holanda acontece anualmente em Terneuzen, sempre na primeira semana de junho. Grandes nomes do jazz participam do evento todos os anos no ‘Porgy & Bess’, um dos mais antigos e renomados clubes de jazz da Holanda e da Bélgica. Muitos críticos já descreveram o ‘Porgy & Bess’ como o “templo” do jazz.

As águas dessa região não servem apenas para o comércio, mas também são uma boa opção de entretenimento para aqueles que gostam de velejar ou apenas observar a movimentação de barcos e navios no porto. Uma viagem de navio para a Inglaterra no final de semana, por exemplo, é certamente uma boa pedida no verão!

Curiosidade
Conta uma tradição antiga que Terneuzen foi o lar do capitão do legendário navio-fantasma ‘Flying Dutchman’ (Holandês voador). A lenda da embarcação-fantasma possui diversas versões. Uma delas diz que o capitão, ao atravessar uma tempestade, foi visitado por Nossa Senhora, que atendia às preces dos marinheiros desesperados. Culpando-a pelo infortúnio, amaldiçoou-a, atraindo para si a maldição de continuar vagando pelos sete mares até o fim dos tempos. Essa história também é narrada no romance ‘The Phantom Ship (O navio fantasma), do escritor Frederick Marryat.  

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641