Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Rodolfo Torres - Rodolfo Torres - Graduado em comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é jornalista e redator. Mora em Brasília desde 2005 e trabalha cobrindo política nacional.
 
Se o roubo fosse educado
 
Data: 23/01/2007
 

Brasília - O pacote de medidas de estímulo à economia nacional, chamado oficialmente de Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), não resistiu muito sem críticas. Lançado no final da manhã dessa segunda-feira, o programa chegou à hora do almoço com um monte de críticas.

Economistas, governadores e até mesmo deputados da base aliada já faziam as suas mais variadas ressalvas. O presidente Lula reuniu ministros, governadores, parlamentares, a imprensa, e fez a sua parte. Saiu na foto como o sujeito que consegue agregar todas as “forças políticas”.

Mas na hora de realmente explicar como que as coisas iriam funcionar, deixou o local e largou dois economistas de formação para se entenderem com o batalhão de repórteres: Guido Mantega, ministro da Fazenda; e Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil.

Criticaram o PAC o presidente da Confederação Nacional da Indústria, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, economistas das mais variadas tendências, e sabe lá Deus quem mais. Todos afirmam que o PAC é insuficiente para garantir o crescimento de 5% ao ano.

O próprio ministro da Fazenda mandou um recado público ao presidente do Banco Central, dizendo que o mercado aguarda a queda da taxa básica de juros. Só para lembrar que o presidente do BC tem status de ministro e adora um juro alto.

E a verba? O PAC vai contar, juntando dinheiro público, privado, extraterrestre e imaginário, uma quantia impressionante: R$ 503,9 bilhões. O país tem quatro anos para investir isso, e nunca é demais ressaltar que o maior talento da administração pública patrícia é o desvio de verba despudorado.

Se 80% desse dinheiro fosse aproveitado da forma devida, cresceríamos até mais. E é óbvio que para afirmar isso eu me utilizo de cálculos e projeções absolutamente íntimas. Mas além de driblar a roubalheira generalizada, o país tem que vencer um monte de outras coisas para crescer a um ritmo razoável.

A carga tributária, que é alta demais e sufoca qualquer desejo de investimento. As leis trabalhistas, que não permitem que um empregador contrate mais; daí temos a migração de verdadeiras populações para o mercado informal de trabalho. E também vemos a falta de qualificação do povo brasileiro - a começar pelo próprio presidente da República, que só tem o diploma do TSE, conferindo-lhe o comando do Executivo; e o do Senai, que lhe confere a certidão de torneiro mecânico.

Mas chega de tentar desmerecer o presidente por meio de sua baixa escolaridade. O fato é que o programa de incentivo da economia brasileira recebeu mais críticas do que elogios, já começa rachado em sua base, e dispõe de uma dinheirama invejável.

O povo brasileiro terá muita sorte se ao menos 60% do meio trilhão de reais do PAC for investido de maneira razoável. Não precisa nem mesmo ser exemplarmente investido. Até porque a pequena corrupção, o roubinho, a falta de cuidado com o patrimônio público, faz parte de nossa condição.

Se tudo fosse certinho demais, seríamos menos do que nós mesmos. O nosso maior problema é o roubão, o desviozão. E isso também nos faz o que somos.

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641