Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Entrevistas - Neste espaço publicaremos entrevistas com brasileiros na Holanda e também com holandeses no Brasil.
 
Elizabeth Rocha Salgado
 
Data: 02/05/2007
 

Por Clarissa Mattos

 

“Eu faço a minha coisa e as pessoas chamam de poesia”
(Elizabeth Rocha Salgado)

Um homem de 73 anos no meio do nada no norte da Holanda e o seu solitário dia-a-dia. Essa história não encheria os olhos de muita gente, mas não passou despercebida aos castanhos e irrequietos olhos dessa brasileira, mineira, que capturou a peculiar beleza da rotina de Jan - um fazendeiro que após a morte da mãe, vive sozinho em Groningnen - e a transformou em imagens poéticas e premiadas.

 Elizabeth Rocha Salgado, com o documentário “Zo is dat”, é a ganhadora do Tuchinsky Award de 2006. Um prêmio concedido desde 1984, ao diretor do melhor filme apresentado como exame final da Academia Holandesa de Cinema e TV. Numa tradução quase literal, “Zo is Dat” poderia ser traduzido como “Então, é assim” e, mas do que o simples cotidiano de um fazendeiro, revela com extrema delicadeza e poesia, uma verdadeira lição de vida.

O site Brasileiros na Holanda teve a oportunidade de conversar com ela e conhecer um pouco mais do filme, da sua vida e dos novos projetos. Aqui você acompanha como foi esse bate-papo sobre cinema, educação, vida e aprendizado.

BRASIL E HOLANDA

C.M: Vamos falar um pouco da sua vida no Brasil e de como o cinema entrou em cena.

Sou de Juiz de Fora e venho de uma família grande. Tenho mais duas irmãs e um irmão e ainda dois tios e uma tia, que também foram criados como irmãos. No Brasil, estudei jornalismo e me especializei em rádio e televisão. Na Universidade Federal de Juiz de Fora, havia uma ilha de edição muito antiga e lá os estudantes faziam muitos videos com uma única e velha câmera VHS. Apesar de tudo ser muito precário, lá fiz vários curtas - inclusive um curta de ficção de 30 minutos e assim, fui me descobrindo. Assistia vários filmes em casa e através deles, fui analisando as cenas e me aprofundando. Depois fui pro Rio de Janeiro e trabalhei em jornal de esportes, rádio, sempre como estagiária ou iniciante.

C.M. :Por que a Holanda?

Há onze anos fiz intercâmbio aqui na Holanda. Voltei pro Brasil, estudei jornalismo e sempre que tinha oportunidade voltava; no período de férias ou greve da faculdade, por exemplo. Na época do intercâmbio, eu conheci o meu primerio amor. Ele morou no Brasil dois anos e na época da faculdade abriu uma agência de propaganda com um amigo. O empreendimento não deu certo e a gente veio pra cá, pra continuar a estudar. Já sabia que queria fazer cinema e em especial, na Academia Holandesa de Cinema.

C.M. : Foi difícil para ingressar na Academia Holandesa de Cinema?
Sei que para entrar na Academia Holandesa de Cinema não é fácil. Para ter aprovada a minha admissão, enviei fotos que havia feito em um orfanato no Brasil, um roteiro de ficção para um longa, cuja história acontece num presídio e ainda dois curtas. Tudo traduzido em holandês.

C.M: Como foi estudar aqui ? Quais as diferenças em relação ao Brasil ?
No Brasil, pelo menos na minha época, cinema era muita teoria e pouca estrutura. Quando me formei chegaram os primeiros computadores na faculdade. Para se ter uma noção: existia apenas uma câmera VHS para todos os alunos. A teoria no Brasil é melhor, mas aqui existem os recursos e o dinheiro que transformam a teoria em prática.

C.M. : Que outros trabalhos você fez no Brasil antes de vir para cá?
Destaco dois curtas. O Brava Mulheres, que é um documentário de 6 minutos sobre as mulheres na favela da Rocinha e o Casal de Três que é um curta baseado num conto de Nelson Rodrigues. Estes foram trabalhos que apresentei para ingressar na Academia.

ZO IS DAT

C.M. : Passando para o aclamado “Zo is Dat”. A idéia original era um documentário sobre índios. Como um fazendeiro, no meio do nada, na Holanda se transformou numa alternativa. Conta um pouco dessa virada?

O projeto de índios não foi aprovado. Não pelo dinheiro, mas pelos riscos que, segundo a Academia, envolvia o projeto. Levar uma equipe de filmagem para uma reserva indígena no Brasil não é uma coisa fácil de aprovar aqui na Holanda. Quando o projeto com os índios não deu certo, pensei em uma ficção, mas a escola não permitiu a troca. Então precisava encontrar um outro tema e fui buscar no Norte da Holanda, em companhia de uma amiga. Assim, através do pai dela, conheci o Jan.

C.M: Como foi trabalhar com o Jan? O que você aprendeu com ele.

Ele adorou e aceitou de primeira. Só se assustou um pouco quando cheguei com toda a equipe e todo o equipamento. A verdade é que toda atenção e tensão das filmagens, trouxeram energia positiva pra vida dele.

Aprendi com ele a aceitar a vida como ela é. O brasileiro vive em extremos. Tudo é excessivo, seja na alegria ou tristeza. Vejo no Jan uma coisa mais sóbria. Ele estuda a situação antes de reagir. Claro que ele é sozinho e sofre de solidão, mas ele aceita e tenta viver da melhor forma possível. Afinal, tanto a felicidade quanto a tristeza fazem parte da vida. Sem tristeza não há poesia, já dizia Vinícius de Moraes.

C.M. : Tudo o que li sobre o filme, exalta a beleza poética das imagens. O que despertou você para essa beleza ?

Não consigo responder. Eu faço minha coisa e as pessoas chamam de poesia. É mesma coisa que perguntar ao Carlos Drummond de Andrade para explicar sua poesia. Impossível.

FUTURO

C.M: Algo mudou para você depois do Tuchinski award?

Aprendi a ter mais confiança no que faço. Já trabalho com cinema há 11 anos, buscando a minha forma, o meu estilo e apesar de gostar de ficção, me especializei em documentário. O prêmio é uma prova de que as pessoas gostam do que eu faço.

C.M: Quais são os seus novos projetos?
O meu próximo trabalho é o projeto com os índios que agora foi retomado e conta com o aval de grande produtora holandesa de filmes.

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641