Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Entrevistas - Neste espaço publicaremos entrevistas com brasileiros na Holanda e também com holandeses no Brasil.
 
Antropólogo Raimer Rodrigues Rezende
 
Data: 22/06/2008
 

A antropologia no meio ambiente

Por Margô Dalla

 

O bate papo informal foi na casa de Márcia Curvo em Bilthoven. Lá, esse jovem inquieto e aventureiro falou de seus planos futuros e contou um pouquinho de sua vida na Holanda. Há sete anos nos Países Baixos, nunca abandonou o objetivo principal que é o de estudar e se formar. Agora, mestrando, lembrou que "já fez de tudo aqui". Foi professor de português, de inglês, garçom, fez teatro, trabalhou com flores, guia turístico, casou, descasou – enfim, viveu e aprendeu muitas coisas com este belo país.

Depois de fazer um ano de Relações Internacionais, o mineiro Raimer Rodrigues Rezende (29), resolveu trancar a faculdade e viajar pela Europa. Quando voltou, estava determinado a estudar Ciências Sociais, mas o desejo de voltar ao Velho Continente foi maior e então, há sete anos, ele escolheu a Holanda para fixar residência. Aprendeu a língua, estudou Antropologia – bacharelado - na Universidade de Amsterdã – UVA, e agora faz um mestrado de dois anos em políticas ambientais "Sustainable Development: Environmental Policy and Management" na Universidade de Utrecht.

Paralelo ao curso de antropologia, Raimer fez o "Minor" (um estudo extra curricular que equivale a um semestre ou um ano de determinado curso - dependendo da Universidade - uma base importante de estudos) em International Development Studies . No Minor, estudou a questão social-econômica do desenvolvimento, como pobreza e o combate a ela, sistemas internacionais e as desigualdades ocasionadas por eles, entre outros temas.

Quando estes estudos acabaram, participou de um programa em Washington – EUA, através de uma organização de direitos humanos – "Humanity in Action" onde ficou 6 meses estagiando na Sub-Comissão de Relações Exteriores do Parlamento Americano sempre com o foco no Brasil e suas diversidades.

"Embora eu tenha ficado todos estes anos fora, meu estudos sempre estiveram direcionados ao Brasil. Minha monografia do bacharelado foi sobre a Amazônia -, Discursos sobre Desenvolvimento e um Estudo de Casos da Amazônia Brasileira. Durante o curso, através de um programa da Universidade de Amsterdã, fui para Rondônia por três meses. Nossa base era Porto Velho, mas o campo de trabalho, uma pequena Vila chamada Nazaré – 10 a 12 horas de barco, subindo o rio Madeira. Depois desta experiência, escrevi meu trabalho de graduação baseado nas teorias existentes sobre o local".

De acordo com Raimer, é importante ver os contrastes que existem "in loco" e é preciso também, conhecer as idéias que existem aqui para cruzar com as experiências adquiridas no local de estudo.

"Eu escrevi sobre o "discurso" das pessoas e as idéias que elas têm. Sobre essa idéia que temos que o meio urbano é mais desenvolvido que o meio rural. Se tomarmos por base uma vila da Amazônia onde existe uma cultura "nata"-, se fizermos um paralelo, facilmente chegaremos à conclusão que eles não são "urbanizados"-, mas que são desenvolvidos dentro do meio a qual pertencem".

Raimer também fez ensaios sobre Candomblé, política brasileira – movimentos sociais brasileiros, sexualidade, bacia do Rio da Prata, BR 163 – Cuiabá/Santarém – que vão começar a asfaltar.

"Meus temas são sempre relacionados ao nosso país, quero voltar e trabalhar lá, afirmou Raimer. Estou me preparando para isto".

O mestrado em Desenvolvimento Sustentável foi iniciado em setembro do ano passado (2007), na Universidade de Utrech. Nele, o aluno escolhe as direções que quer seguir. A que Raimer escolheu, refere-se ao "Políticas Ambientais".

"Ainda estou estudando as possibilidades, mas provavelmente me definirei sobre a participação pública em políticas ambientais e o manejo de recursos naturais. Qual a política praticada e qual a política adequada".

Em agosto, irá para o Brasil com um programa ICCO que é uma ONG de cooperação para o desenvolvimento (Development Organization), é uma das maiores da Holanda e apóia muitos projetos no Brasil.

"O ICCO lançou uma campanha sobre mudanças climáticas, com o nome de FairClimate (clima justo). Não adianta tentar resolver o problema aqui, por exemplo reduzindo a emissão de gás carbônico. Temos que pensar nas consequências dos nossos atos aqui para comunidades em países como o Brasil. Em primeiro lugar, temos que pensar no nosso padrão de consumo na Holanda e nos danos que são causados no país onde acontece a produção. Além disso, a campanha defende um ponto pressuposto ético, de que os recursos naturais do planeta devem ser divididos de maneira igual. Países como a Holanda usam muito mais do que os caberiam, por exemplo em relação à emissão de gás carbônico, e devem compensar por isso.'

"Uma outra questão é a dos biocombustíveis. Não adianta reduzir a emissão de gás carbônico na Europa exportando o problema para outros países. Tem que se pensar nos problemas ambientais e sociais que podem ser causados."

Baseada nestes princípios, A União Européia (UE) está elaborando uma lei que exigirá que os exportadores de biocombustíveis de todo o mundo certifiquem que seus produtos são sustentáveis em termos ambientais. Sem a certificação, a idéia é de que o combustível não seja autorizado a entrar no mercado europeu. A meta da EU, é de que 10% de sua frota de carros até 2020 esteja consumindo etanol – planos para a redução de emissões de gás; no entanto, está preocupada em que esta "meta" não demande desmatamentos ou problemas ambientais. Com isso, a EU pretende usar a mesma política que aplica para a questão de importação de madeiras. É preciso provar que a exploração está sendo sustentável e que o meio ambiente está sendo de alguma forma preservada. Os exportadores precisam provar que a exploração está sendo sustentável e que o meio ambiente será preservado.

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641