Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Rodolfo Torres - Rodolfo Torres - Graduado em comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é jornalista e redator. Mora em Brasília desde 2005 e trabalha cobrindo política nacional.
 
Aumentos e brigas
 
Data: 11/05/2007
 

Brasília - Por uma coincidência nada divina, os deputados aprovaram o próprio aumento salarial no mesmo dia em que o papa Bento XVI chegou ao Brasil. Além do próprio aumento, eles também aprovaram o mesmo aumento de 28,53% para os contra-cheques dos senadores, do presidente da República, do vice-presidente da República e dos incontáveis ministros.

Agora é a vez dos senadores analisarem a proposta. Então, vamos a ela. Os parlamentares deixarão de receber a atual bagatela de R$ 12.847,20 para ganharem R$ 16.512,09. O reajuste, de acordo com os próprios congressistas, é uma “correção salarial” baseada no índice de inflação dos últimos quatro anos. Atualmente, o presidente Lula recebe R$ 8.885 como nosso líder supremo. Com a aprovação da proposta, ele passará a ganhar R$ 11.420 para dirigir esse país. Por sua vez, o salário do vice e dos ministros passará dos atuais R$ 8.362 para R$ 10.748.

Particularmente, acho que o aumento salarial aprovado foi pouco. Se desejassem, os parlamentares teriam aprovado para si o aumento de quase 92%, proposto no final do ano, que equiparava o salário de deputados e senadores aos dos ministros do Supremo Tribunal Federal, ou seja, R$ 24.500.

Falar em salário no Brasil é complicado. Não dá nem para começar a brincar de querer falar sério quando o mínimo não chega nem aos R$ 400. Melhor é levar a vida como sempre e torcer para que os nobres congressistas tenham pena desse povo que vende o almoço para comprar o jantar.

Os deputados que abertamente falavam a favor do aumento, chamavam os colegas parlamentares que se posicionavam contra a proposta de “demagogos”. Está certo. Triste de qualquer classe que não lute pelos próprios benefícios.

Mas o mais ilustrativo dessa quarta-feira (9) na Câmara não foi a aprovação do aumento salarial para o Executivo e o Legislativo enquanto o papa chegava ao país. Isso já era de se esperar. Afinal, nada como uma visita ilustre para desviar as atenções deste povo no qual a fé lhe escorre pelos poros queimados de sol e fogo.

O que realmente importa ser noticiado foi o pranto da deputada Cida Diogo (PT-RJ) ao presidente em exercício da Câmara, Inocêncio Oliveira (PR-PE). Enquanto os deputados votavam a proposta que homenageava o primeiro santo brasileiro, Frei Galvão, a deputada vai ao presidente da Câmara chorando.

Logo, diversos deputados cercam a parlamentar para ouvir o seu relato. De acordo com ela, o deputado Clodovil Hernandes (PTC-SP), teria dito que ela “era tão feia que não servia para ser puta”. Apenas para entender o caso: no mês passado, Clodovil, que é estilista, afirmou que desistiu de fazer vestidos para as mulheres porque atualmente elas estavam “ordinárias” e que “trabalhavam deitadas e descansavam de pé”. A parlamentar colhia assinaturas desde então para entrar com um requerimento contra Clodovil na Mesa Diretora da Câmara. Parece que a paciência dos deputados se esgotou com Clodovil. Mas tudo é possível, inclusive o perdão a ele. Afinal, a Câmara é a casa do perdão.

Muitos discursos de apoio à parlamentar depois, é chegada a hora de outro deputado, desta vez Fernando Gabeira (PV-RJ), provocar outra discussão. Gabeira falou que a Câmara poderia economizar nos seus gastos. Como exemplo, ele citou a viagem em que, segundo o que lhe disseram, 70 deputados foram ao Uruguai para a primeira sessão do Parlamento do Mercosul.

O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), tratou de provar que Gabeira estava equivocado em suas conclusões. “Quem te falou nesse número mentiu, e espero que você não reproduza mentira”, disse Chinaglia a Gabeira. E o parlamentar do PV não foi mais visto, na sessão que iria transcorrer até depois da meia-noite, onde mais uma vez o governo provou sua incompetência numa votação qualquer, que destinaria uma fortuna às prefeituras deste país. Pobre país.

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641