Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Clarissa Mattos - - Baiana de Salvador, administradora de empresas e pós-graduada em Marketing e E-Business, nos últimos anos tem atuado nas áreas de comunicação e marketing. Hoje mora em De Bilt e, além de música, cinema, literatura e fotografia, adora conhecer novas pessoas, lugares e culturas.
 
Ponto de Integração
 
Data: 10/06/2006
 

Ontem me perguntaram quais eram as minhas primeiras impressões da Holanda. Aliás, já me perguntaram muitas e muitas e vezes e nunca consigo dar uma resposta precisa. Cheguei há pouco mais de dois meses e ainda não tive tempo de organizar nem a casa, nem os sentimentos. Só sei que a primeira sensação que tive foi de frustração quando, ao chegar, percebi que toda a trabalheira com tanta burocracia resultou em um visto provisório que me dá o direito de estar, mas não de ser. Sim, ainda estou no aguardo do famoso verblijfsvergunning, o visto que dá direito a trabalhar, ter conta em banco, cartão de crédito e outras coisas comuns a qualquer cidadão. Enquanto esse bicho de nome esquisito não vem, tento entender um pouco mais esse minúsculo, mas intrigante país.

Aprender a entender como são as pessoas e como as coisas funcionam é uma luta diária, entremeada de muitos mal-entendidos. Não estou nem falando da língua. Falo na verdade das pequenas diferenças culturais. Essas que povoam as mínimas coisas do nosso dia-a-dia. É aquele terceiro beijo que você esquece e deixa a criatura com cabeça esticada no ar como uma tartaruga. Ou quando logo ao ser apresentado você cumprimenta com um beijo e o constrangimento pisca como um luminoso de neon na cara do apresentado. Ou, ainda falando do beijo, quando ao se despedir, a pessoa acena um doei, vai embora e você fica com a sensação de que tá faltando alguma coisa.

Quando estamos de férias em um outro país, a sensação de liberdade, de que ninguém nos conhece e de que podemos fazer o que quisermos faz parte da fantasia do turista e do prazer da viagem. Agora, ao mudar para um país estranho, a coisa é diferente. Queremos sair da exceção, não queremos errar socialmente nem agir de forma estranha ou parecer uma figura exótica em exibição. Ao mesmo tempo, não queremos (nem podemos) largar tudo o que aprendemos e carregamos durante toda a nossa vida. Eis o grande mistério da integração! Até onde consigo viver de maneira espontânea e natural num ambiente novo, mantendo os meus hábitos, gostos e cultura.

Sou baiana de Salvador, mas vivi os últimos doze anos no Rio. Acredito que essa experiência pode servir de laboratório - guardadas todas as devidas proporções - para a situação atual. É óbvio que ao morar em outra cidade por tantos anos adquiri novos costumes, palavras, um toque no sotaque e aprendi novos códigos sociais, mas isso não me transformou numa carioca postiça. Ao mesmo tempo, não sou a mesma pessoa que deixou Salvador, tampouco tenho a mesma relação com a cidade. Entretanto, em nenhum momento, Salvador deixou de ser a minha origem, minha cidade natal. Talvez a distância tenha até acentuado esse sentimento. E o Rio? O Rio foi adicionado na minha vida e hoje é um outro lugar muito especial para mim.

Agora a distância é maior, como também são as diferenças. Sei que tenho uma montanha russa de situações e emoções pela frente e muito o que aprender. Os primeiros passos, acredito eu, são: não resisitir, não excluir nada, não pré-julgar e observar. Mesmo parada no mesmo lugar, você está mudando todo dia. Cada pessoa ou lugar que passa pela sua vida, traz mudanças para você e em você. E a recíproca é verdadeira. Cabe a cada um encontrar o seu ponto de equilíbrio ou melhor, o seu ponto de integração. Você nunca vai deixar de ser quem você é e ainda pode deixar o seu toque, a sua contribuição no ambiente em que vive. Até porque a gente sabe que um pouco de sotaque brasileiro não vai fazer mal nenhum a esse país, não é mesmo? Que venha a Holanda!

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641