Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Rodolfo Torres - Rodolfo Torres - Graduado em comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é jornalista e redator. Mora em Brasília desde 2005 e trabalha cobrindo política nacional.
 
Um mundo ainda mais triste sem Bergman
 
Data: 31/07/2007
 

 

Brasília - Ingmar Bergman morreu. Assim como muita coisa boa nesta vida, o cineasta sueco também não está mais entre nós. E agora, seremos obrigados a conviver com os nossos dias sem a certeza de que um dos mestres da sétima arte poderá nos salvar. 
 
Duvido que alguém tenha coragem de assistir a um filme de Bergman num domingo à noite, momento em que costumamos refletir a respeito de nossa existência com uma obstinação maior do que a de costume. 
 
A verdade é que não há ser humano que assista a um filme de Bergman num domingo a noite sem sair dilacerado emocionalmente. A mesma coisa se aplica para os livros de Dostoievski. 
 
Meu último contato com o diretor foi no site Youtube. Na pequena tela do computador, ele conversava com atores sobre como deveriam proceder para que determinada cena fosse feita. E ele, gênio que era, sorria. Certa vez, também vi uma entrevista em preto e branco. Nela, dois jovens cineastas que rasgavam elogios um ao outro: Ingmar Bergman e Federico Fellini. 
 
Atualmente, me identifico mais ainda com a obra de Bergman pela melancolia, pela tristeza cuidadosamente construída de se saber ser humano. Não posso dizer que o meu trabalho tem alguma relação com Bergman no sentido da profundidade. Na tristeza, tudo bem. Afinal, o que é a cobertura política se não uma superficial sucessão sem fim de mais e mais tristezas. 
 
Aliás, acho que a tristeza traz consigo uma enorme capacidade redentora. Somente quem consegue conviver com a tristeza é capaz de pensar em alçar vôos maiores. Seja enquanto indivíduo, seja enquanto povo. 
 
O brasileiro, por razões das mais variadas, não cultua a tristeza. Ou a cultua de uma forma equivocada. A cobertura política, por exemplo, deveria ter clima de velório. Um funeral constante, um luto contínuo. 
 
A política brasileira é triste e superficial. E tentam torná-la alegre e profunda. Sim, a cobertura política merece ser tratada com pelo menos um pouco mais de sinceridade. E, caso seja desta forma, será triste ler o noticiário de Brasília. 
 
O mundo perdeu um dos seus grandes homens nessa segunda. E obras com o conflito psicológico de uma “Sonata de Outono” (se não me engano, o filme foi gravado inteiramente em uma sala, com uma marcação de personagens bem próximo ao do teatro); “Morangos Silvestres” (onde a atmosfera de sonho produz relógios sem ponteiros e visitas saudosas aos amores juvenis); e Fanny & Alexander (a rigidez na educação de um garoto que, mais tarde, encantaria o mundo com uma tal de lanterna mágica); encontrarão na posteridade seu devido lugar.
 
Só espero que as novas gerações tenham paciência de digerir os filmes de Bergman. Para o bem de toda a humanidade, isso é mais do que fundamental. É imperativo.
Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641