Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Rodolfo Torres - Rodolfo Torres - Graduado em comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é jornalista e redator. Mora em Brasília desde 2005 e trabalha cobrindo política nacional.
 
A gestação de uma CPI
 
Data: 07/03/2008
 

Brasília - O Congresso demorou exatamente um mês para instalar a CPI dos Cartões Corporativos. Desde a abertura dos trabalhos legislativos, no dia seis de fevereiro, até essa quinta-feira, seis de março; deputados e senadores protagonizaram diversos atos de algo maior, que poderíamos chamar de novela. Ou dramalhão. Depende do grau de paciência. 

Em um primeiro momento, o líder do governo no Senado saiu à procura de assinaturas, apenas entre os senadores. A oposição reclamou e exigiu uma CPI mista, ou seja, composta por deputados e senadores. 
 
Começou então a agonia para colher as 171 assinaturas na Câmara. Em pouco tempo, o número mínimo de parlamentares foi alcançado. Quando o presidente do Senado deveria ler o requerimento de abertura da CPI, um erro de redação o impede de abrir a comissão. 
 
Nova coleta de assinaturas. Tudo certo e, em sessão do Congresso Nacional, é lido o requerimento de abertura da CPI. Faltava então a leitura dos nomes para compor o colegiado. O presidente do Senado avisa que, caso os partidos políticos não indiquem, ele mesmo o fará. 
 
E no meio de toda esta confusão, encontramos uma oposição exigindo um dos cargos de comando do colegiado. Presidência ou relatoria. Tanto faz. Mas PSDB e DEM querem um dos cargos de controle da comissão parlamentar de inquérito que investigará as denúncias de má utilização dos cartões de crédito corporativos do governo federal.
 
Sabendo que as legendas teriam como instalar uma CPI apenas no Senado, o governo iniciou um processo de convencimento do PMDB
(maior bancada no Congresso) para ceder ao PSDB a indicação da presidência dos trabalhos. Já estava certo que a relatoria ficaria com
o PT, partido do presidente da República. 
 
Quando, enfim, tudo parecia conspirar para a leitura dos nomes, e a instalação prática da CPI, o senador Jonas Pinheiro (DEM-MT) morre. Câmara e Senado suspendem suas atividades numa quarta-feira, dia em que inevitavelmente o Congresso ferve.
 
Nesse meio tempo, outros temas esfriam a importância da CPI: reforma tributária, votação do Orçamento e crise diplomática entre Colômbia, Equador e Venezuela. 
 
Exatamente um mês após o início das atividades legislativas deste ano, os nomes indicados pelos partidos políticos, e que vão compor a CPI, são lidos no plenário do Senado. Como se trata de um colegiado misto, o presidente do Senado vai comunicar a leitura ao presidente da Câmara. 
 
Seguindo as tradições de toda a CPI, esta também tem maioria governista. Dos 24 membros (12 deputados e 12 senadores), 16 são base de sustentação do governo, e, conseqüentemente oito, da oposição. 
 
Para o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), uma maioria "esmagadora". Já o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), diz que o governo quer encobrir as investigações quando incluiu o período do governo FHC nos trabalhos. 
 
O governo, como sempre, é mais difícil de comentar qualquer coisa. Nada comentaram.
Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641