Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Rodolfo Torres - Rodolfo Torres - Graduado em comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), é jornalista e redator. Mora em Brasília desde 2005 e trabalha cobrindo política nacional.
 
Estudo da FGV recomendará até 4.000 demissões no Senado
 
Data: 12/07/2009
 

Fundação Getúlio Vargas (FGV) deve entregar em até 20 dias uma proposta de reformulação administrativa do Senado. O estudo do órgão vai sugerir o corte de, pelo menos, 2.400 dos atuais 10 mil funcionários da Casa (24% do pessoal). Contudo, esse enxugamento pode chegar a 4.000 funcionários (40% do pessoal).

Inicialmente, o corte atingirá apenas os funcionários comissionados e terceirizados. Entretanto, funcionários de carreira poderão ser incluídos na reformulação. “Para os funcionários de carreira, a intenção é incentivar a implantação de um plano de demissão voluntária”, explicou o diretor da FGV, Bianor Cavalcanti. 

“Dez mil funcionários para 81 senadores é um número excessivo para qualquer critério técnico”, argumenta Bianor, complementando que 90% do orçamento do Senado está comprometida com pessoal.

O diretor da FGV também criticou as funções comissionadas da Casa. “Está previsto que, em 2009, serão gastos cerca de R$ 269 milhões só com essas 2875 funções comissionadas. É um número bastante considerável”, afirmou.

Em outro ponto, a FGV propõe reduzir 40% do orçamento da gráfica do Senado até o final do ano. O órgão dispõe de R$ 45 milhões somente para este ano. Até o mês passado, R$ 26 milhões foram utilizados.

O estudo de reformulação administrativa ainda sugere mandato de dois anos, submetido ao plenário, para os cargos de diretor-geral, secretário de controle interno e advogado-geral do Senado. Atualmente, essas funções são indicações do presidente da Casa. “Os três cargos em conjunto vão interagir entre si, colocando o todo como coadjuvante na responsabilidade pela administração das despesas do Senado.”

A FGV também pede que seja feita uma auditoria externa na folha de pagamentos da Casa, que os contratos de prestação de serviço com locação de mão de obra sejam renegociados e que o Portal de Transparência do Senado seja ampliado. “Com isso, será possível tornar públicos todos os atos de execução orçamentária e financeira, despesas indenizatórias dos gabinetes, licitações, contratos, convênios, despesas com passagens e diárias das unidades orçamentárias e gestoras.”

Por fim, o estudo propõe um plano de plano de carreiras com base no sistema de mérito, e uma mudança nos mecanismos de decisão sobre contratos e aquisições. Atualmente, a FGV analisa um estudo de reformulação do Senado realizado por uma comissão de servidores da Casa.  

Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641