Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

COLUNAS
Cristina Oliveira - nascida em Maringá - Paraná, mãe da Maria Eugênia, Bárbara e Ruy. Vovó do Enzo e do Léo. Morou 7 anos nos Estados Unidos, onde adquiriu a cidadania americana e há 6 mora na Holanda com o parceiro fotógrafo Chris Perreijn. Tem como hobbies a fotografia e espalhar suas idéias sobre o mundo para o mundo!
 
Mitchell
 
Data: 01/06/2017
 
Mitchell é um menino franzino de cabelo impecavelmente penteado e óculos de grau. Ele é tímido e de pouca fala.
O pequeno Mitchell tem sonhos grandes. Ele sabe o que quer. Ele quer aprender a arte de construir coisas grandes.
Toda a terça-feira eu coloco mais um lugar à mesa para ele.
 
Sentado ao lado do seu mestre, o grande Bart, ele saboreia do seu próprio lanche meticulosamente preparado pela sua mãe, acredito eu. Pão branco, umas bolachinhas, um suco de frutas e chocomel. Ele é tímido o bastante para não fazer uso do que colocamos à mesa para ele.
 
Enquanto o grande mestre pedreiro, entusiasmado, nos conta como foram suas últimas férias pedalando na França, enquanto mastiga um pedaço de pão integral com grãos recheado com salada caprese... "salada caprese não, "Insalata caprese" me corrigiu ele...Mitchell nos escuta com os ouvidos bem afiados e olhinhos bem abertos por trás da lentes grossas. Mas o que se passa em sua cabeça eu não consigo decifrar.
 
Vocês devem talvez estarem se perguntando, o que fazem o grande mestre pedreiro e seu pupilo à minha mesa durante a hora do almoço... Para nós aqui é algo comum.
 
Aqui não existem serventes ou portas, elevadores, banheiros e mesas para serventes ou funcionários. Aqui existem profissionais. Seja na área que for. E todos usam as mesmas portas, elevadores, banheiros e mesas. E se alguém ganha mais que o outro, ou tem uma profissão mais nobre, não é da conta de ninguém.
 
Quase não se vê hierarquia num ambiente de trabalho. Se vê mais um líder de time. Estranhei quando fiz minha primeira visita ao médico e não achei nenhum médico vestindo um jaleco e sendo chamado de doutor. Confesso que até duvidei da sua capacidade vendo ele ali sentado ao meu lado e sem um jaleco. Tem certeza de que o senhor é o médico? Ops, senhor não! Você, por favor.
 
E a senhora que vem toda segunda feira limpar a casa da vizinha que acabou de ganhar neném se veste melhor do que eu, tem uma bicicleta linda que é meu sonho de  consumo e uma  casa de veraneio no sul da França. A casa de veraneio no sul da França é invenção minha, mas eu não duvidaria se fosse verdade.
 
E que o primeiro ministro vai para o trabalho de bicicleta também não é novidade alguma. É o conhecido: "Doen normaal". Ninguém é melhor do que ninguém, com pouquíssimas exceções. Ainda existe uma realeza que se contrapõe à isso. Mas é a realeza mais down to earth que eu já vi.
 
Anyways. Todos merecem um lugar à mesa e a sua porção de Insalata Caprese.
Voltando ao Mitchell...
 
Mitchell está fazendo estágio para a conclusão do seu curso. Ele quer se tornar um construtor. Todas as terças feiras ele acompanha o grande mestre pedreiro na reforma da nossa cozinha. É um dia engraçado esse. Durante todo o dia escutamos as instruções passadas à ele seguidas de risadas do seu mestre que também deve se divertir com a inocência desse pequeno de sonhos tão grandes.
 
Na última terça feira ocorreu um incidente. Mitchell fez um pequeno corte no seu dedo indicador. O grande mestre ao ver o pequeno corte perguntou se estava tudo bem. E Mitchell com a valentia de um leão sacudiu a cabeça afirmativamente. Mas alguns segundos depois balbuciou: "Tenho um pouco de dor de cabeça. Toda vez que me machuco me dá dor de cabeça."
 
Chris que estava por perto, chamou o pequeno até o lavabo e disse: "vamos dar uma olhada nesse machucado". E lá estavam umas gotinhas de sangue que foram lavadas na pia do lavabo contra a vontade do menino, que se sentiu envergonhado de sujar com seu sangue as pedrinhas brancas que trouxemos da Grécia e que ficam dentro da pia.
 
Dando um toque final, Chris colocou um band-aid no ferimento e liberou o menino para continuar na sua empreitada.
E lá se foi o menino de sonhos grandes, e Chris não pôde resistir o pensamento: " Oh God,  jongetje!!!"
 
Share
 
Comente a coluna
Comentários


Relacionadas:
    Não há colunas relacionadas

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641