Faça do Brasileiros na Holanda a sua página inicial
Anuncie Aqui Anuncie Aqui
logo banner
 Clima   Traffic  moeda positivo Como anunciar
setinha Aprenda Holandês
setinha Classificados
setinha Como chegar
setinha Entrevistas
setinha Ferias escolares
setinha Forum de discussão
setinha Indique o site
setinha Integração Civil
setinha Livro de visitas
setinha Missas em português
setinha Promoções telefônicas
setinha Revista
setinha Turismo
setinha Viagem de menores
setinha Vídeos
Press award

MANCHETES
 

25/02/11 - Pelo menos 18 obras de arte somem da embaixada do Brasil em Paris

Uma sindicância foi aberta a pedido do MRE, mas, como não têm poder de polícia, funcionários estão descrentes com o resgate

Fonte: Correio Brasiliense

Obras de arte doadas por autoridades e artistas sumiram da Embaixada do Brasil em Paris. Até agora, funcionários da representação deram falta de ao menos 18 peças. São quadros, gravuras e tapetes que ninguém sabe explicar como desapareceram do prédio, pois não há registro de ocorrência policial de roubo em suas dependências. Tratado de forma sigilosa pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE) brasileiro, o caso rendeu uma sindicância. No entanto, sem peritos e poder de polícia, os funcionários responsáveis pela apuração estão de mãos atadas. Admitem que dificilmente chegarão aos responsáveis pelos saques e ao destino dos itens.

O Correio teve acesso, com exclusividade, aos documentos internos e restritos do Itamaraty que tratam do sumiço das obras de arte. São telegramas trocados por meio do sistema de comunicação especial usado pela diplomacia em todo o mundo. Por meio deles, são tratados os assuntos mais delicados entre a sede do MRE e seus postos no exterior. Dessa forma, o embaixador do Brasil na França, José Maurício Bustani, avisou a Coordenação de Patrimônio do Itamaraty, em 29 de outubro de 2010, sobre o desaparecimento das 18 peças.

Bustani havia designado um funcionário brasileiro para fazer o inventário de todas as obras de arte e móveis da embaixada e da residência oficial do Brasil na França logo após assumir o posto, em fevereiro de 2008. Medida rara no meio diplomático brasileiro. O novo embaixador tem que assinar o inventário deixado pelo antecessor. No entanto, por cortesia, não é comum conferir os dados contidos no documento. Dessa vez foi diferente e resultou na descoberta das perdas. “Tais bens não puderam ser localizados após intensos e exaustivos trabalhos de procura e de identificação realizados dentro das dependências da Chancelaria e da Residência”, afirmou Bustani no telegrama enviado à Brasília quatro meses atrás.

Continue lendo...

Share

Mais manchetes

 

   

 

Siga-nos Facebook Twitter Orkut
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
publicidade publicidade
Revista:
revista

Video:


 
Importante: Todas as colunas são de única e exclusiva responsabilidade dos seus autores, não refletindo a opinião dos mantenedores deste portal.
setas
Site criado e mantido por Marcia Curvo.Todos os direitos reservados. Reprodução proibida ©2010.
Para anúncios ou sugestões entre em contato conosco por e-mail.
Telefone: (31) (0)6 18 200 641